quarta-feira, 27 de abril de 2011

sexta-feira, 25 de março de 2011

DELÍRIOS DA NOITE

DELÍRIOS DA NOITE

Geme... As imagens
O vento cospe no rosto
Alimentam-se camas esfomeadas
Panela rota e emborcada
Alma sedenta e vagabunda
Fadigas do corpo adormecido
Ilusões dispersas da cidade
Rastros ébrios do infinito
Sonhos perdidos na noite
Gemidos do leito sonolento
Espreguiçando-se no escuro
Passos trôpega da noite
Palavras balbuciadas e desconexas
Sombras de vultos apressados
Que voam pelas janelas fechadas
Sonhos dementes
Mundo abstrato de todos os animais
Grunhidos de cães medrosos
Cortam a noite a fio de espadas
Delírios das almas dilaceradas
São as torturas da mente
Em corpos dominados
Movimentos que governam
O ente incapaz
Em seus pesadelos
Fagulhas da vida fictícia.
Perdidas na memória
Soltas no livro da vida
E manifestadas apenas
Nas horas dormidas.

segunda-feira, 7 de março de 2011

domingo, 6 de março de 2011

                                                               Esposa de Plauto Araújo  
                                                 
                                                            Estamos casados e felizes.....

terça-feira, 1 de março de 2011

domingo, 20 de fevereiro de 2011

POESIA - AMOR

AMOR


Esta força estranha

Tirana e invasora

Vulcão do peito

Em plena erupção

Se derramando... Transbordando.

Fogo abrasador queimando

Ardendo tudo... Explodindo.

Grito inquieto da alma

Que clama... Sem calma.

Larvas que escorrem pelos olhos

Entalo retido de emoções

Quebrantando o coração

Fervilhando no íntimo

Expondo o ser vencido

Desarmando-o... Subjugando-o.

Através deste impulso dominante

Que obriga o ser,

Mas forte a se render

Ao ente amado

Sem se defender em nada

E sem razão

Fica calado.